Menu
Esqueceu a senha? Fazer cadastro

Videocast: Convivendo com as Incertezas

Neste videocast, o Mário Trentim comenta sobre o artigo capa da edição 39: Apredendo a Conviver com a Incerteza, que trata do gerenciamento de riscos, e como conviver com algumas incertezas, falando sobre a necessidade de modelar melhor os riscos, e de criar uma resiliência para as incertezas, que é onde estão os riscos ainda não previstos. Caso queiram ler o artigo completo, clique aqui para comprar a revista impressa ou on-line.

Brasil é o primeiro país a gerar energia limpa a partir de biocombustível na Antártica

Noticia recebida do Sr. Amauri José Candido – Coordenador de Planejamento da VSE – Vale Soluções em Energia
Fonte: www.mar.mil.br

Fonte: www.mar.mil.br

Em uma iniciativa pioneira, o Brasil vai iluminar a Estação Antártica Comandante Ferraz com um motogerador a etanol. A ação faz parte da comemoração dos 30 anos da Estação, operada pela Marinha do Brasil, e conta com a parceria da Vale Soluções em Energia (VSE) e da Petrobras.

Na quarta-feira (11/01/12), o ministro da Defesa, Celso Amorim, esteve na Antártica para visitar a Estação, onde foi dada a partida na operação do motogerador a etanol, que tem capacidade de suprir, com folga, toda a energia necessária às operações e aos programas científicos lá realizados.
A partir deste evento, o motogerador passou a operar continuamente na Antártica, dando início ao programa científico que faz do Brasil o primeiro país do mundo a utilizar biocombustível para produção de energia no continente Antártico.

Segundo Celso Amorim, a iniciativa brasileira é digna de celebração, pois coloca o país em destaque no cenário tecnológico mundial e alinhado com a meta da ONU, que declarou 2012 como o Ano Internacional de Energia Sustentável para Todos.

O projeto – O motogerador a etanol brasileiro foi desenvolvido com tecnologia totalmente nacional e gera energia limpa, sem qualquer tipo de aditivo. A tecnologia foi desenvolvida pela VSE, uma empresa da Vale e do BNDES.

A Petrobras fornece 350 mil litros de etanol, idêntico ao utilizado nos veículos nacionais, e fará o acompanhamento tecnológico para validar a utilização do biocombustível em condições climáticas severas.

O projeto é beneficiado pela Lei da Inovação, por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), que promove e incentiva o desenvolvimento de produtos e processos inovadores voltados para atividades de pesquisa.

O equipamento e o biocombustível partiram em outubro do Brasil para a Antártica no navio de Pesquisas Oceânicas Ary Rongel. Em seguida, uma equipe de engenheiros brasileiros partiu para o continente para realizar as instalações e os testes necessários ao funcionamento do equipamento.
A partir de agora e durante um ano, o motogerador vai operar em total sincronismo com os motogeradores já existentes a diesel, preservando o parque energético atual como uma medida adicional de segurança.

Estação Antártica Comandante Ferraz

Fonte: static.panoramio.com

Fonte: static.panoramio.com

A estação brasileira é operada pela Marinha do Brasil e foi instalada na Baía do Almirantado, localizada na Ilha Rei George, no verão de 1984. A partir de 1986, passou a ser ocupada anualmente e guarnecida por militares da Marinha do Brasil e pesquisadores, podendo acomodar até 58 pessoas. A estação possui laboratórios destinados às ciências biológicas, atmosféricas e químicas.

A partida na operação do motogerador a etanol é um dos eventos que marcam os 30 anos do Programa Antártico Brasileiro (Proantar), gerenciado pela Marinha por meio da Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (SECIRM).

Criado em janeiro de 1982, o Proantar tem realizado importantes pesquisas científicas em diversas áreas de conhecimento, de forma a respaldar a condição do Brasil de membro consultivo do Tratado da Antártica, assegurando a participação nacional nos processos decisórios relativos ao futuro daquele continente.

Acompanharam o ministro da Defesa na missão à Antártica o comandante da Marinha, Almirante-de-esquadra Julio Soares de Moura Neto, o Comandante da Aeronáutica, Tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito e o Presidente da VSE Sr. James Pessoa.

Primeiro livro em Português sobre Certificação CAPM

Aconteceu ontem o lançamento do primeiro livro sobre a certificação CAPM em Português, apesar de não termos estado presente fisicamente, fizemos contato com o Carlos Augusto Freitas, que nos remeteu o texto abaixo, que fala um pouco mais sobre a certificação no ambiente de gestão de projetos e o livro. Junto com o texto, disponibilizamos em nosso perfil no slideshare,  um artigo escrito pelo mesmo, publicado na edição 31 sobre a certificação e como ela se encaixa nas equipes de projetos. Esperamos que o livro e o artigo possam contribuir com o avança do gerenciamento de projetos no Brasil, segue:

Desenvolvimento Profissional em GP – Para membros de equipe e novos gerentes de projetos

Livro  sobre Certificação CAPM

Livro sobre Certificação CAPM

As organizações atualmente vivem tempos onde a aplicação de práticas de gerenciamento de projetos objetiva resultados imediatos. Uma questão a ser ressaltada é que esta urgência muitas vezes significa resultados não satisfatórios, justamente pela falta de tempo e emprego correto tais práticas. A busca por profissionai ainda é alta devido à carência de mão-de-obra qualificada, aumentando ainda mais o desafio de trabalho e atuação nas corporações.

Dentro do ambiente de um projeto com áreas e conhecimento multidisciplinares existe a necessidade de utilização de uma linguagem em comum, a saber: gerenciamento de projetos. Membros de equipes com conhecimento em melhores práticas tornam-se fortes aliados ao gerente de projetos, principalmente em ferramentas de planejamento e acompanhamento de projetos como: EAP, Planejamento de Ondas Sucessivas, Avaliação de Riscos, Qualidade, Gestão de Mudança, Lições Aprendidas, dentre outras. A partir desta necessidade que chegamos a certificação CAPM® do PMI® cujo objetivo é atestar o conhecimento nas melhores práticas de gerenciamento de projetos onde o público alvo são:

  •  Membros de Equipes de Projetos;
  • Novos Gerentes de Projetos (futuros PMP’s);
  • Coordenadores, Supervisores, Executivos, Patrocinadores, ou seja, profissionais com cargo de liderança que necessitam acompanhar e direcionar o projeto;

O livro: Trata-se do primeiro livro em português específico para times de projetos com ênfase na preparação para o exame de certificação CAPM® do PMI®. A idéia foi juntar, na mesma publicação, o conteúdo do PMBOK®, os assuntos não cobertos pelo guia que caem no exame e a aplicação prática de algumas técnicas de gerenciamento de projetos. Recheado de dicas, o livro é indicado para estudantes, profissionais que atuam em equipes de projetos e futuros gerentes de projetos que desejam ampliar o conhecimento baseado no PMBOK® e/ou estejam se preparando pra o exame de certificação CAPM®. Inclui apêndice com dinâmica para fixar o conteúdo e simulado com questões similares ao exame de certificação CAPM®. A publicação conta com o prefácio de Ricardo Vargas e depoimento de profissionais referência em gerenciamento de projetos. O objetivo é apresentar de forma simples e objetiva conceitos e definições do guia de melhores práticas de gerenciamento de projetos do PMI®.

Onde comprar: brasport.com.br/gerenciamento-de-projetos-br-2/certificacao-br-2-3-4-5/guia-de-certificacao-capm.html

O Artigo:

View more documents from Mundo PM
Carlos Augusto Freitas é especialista certificado em gerenciamento de projetos. Certificado CAPM® e PMP® pelo PMI®-USA e ITIL Foundations. Formação superior em Gerência de Comunicação de Dados e em Tecnologia de Sistemas e Redes de Computadores, com cursos de extensão universitária em Redes de Telecomunicações e Gestão de Projetos de Software, Gerência de Projetos com CMMI e Modelagem de Processos de Negócios, Docência em EaD, BSC e Comunicação em Apresentações. Voluntário do PMI. Atua como instrutor em preparatórios para o exame do PMI. Professor de graduação e MBAs de instituições como FGV e INFNET. Sólida experiência em gestão e implantação de projetos de TI no segmento de saúde hospitalar e Oil & Gas, mapeamento / modelagem de processos e implantação de Escritório de Projetos (PMO).

Qual a área do conhecimento mais importante em Gerenciamento de Projetos?

Qual a área do conhecimento mais importante em gerenciamento de projetos? Quando faço essa pergunta, as respostas são as mais variadas.
Fico surpreso de que muitos respondem: custo ou tempo. Isso demonstra um problema crônico da transição de uma cultura de “fazejamento” para uma cultura de planejamento e gerenciamento.

Anthony Mersino, em seu livro Inteligência Emocional para Gerenciamento de Projetos, diz que a cultura organizacional é um ponto essencial para o gerenciamento dos projetos. Até aqui, nenhuma novidade.  Mersino salienta que basta observar os comportamentos que são recompensados e os que são punidos para saber como os projetos são gerenciados numa organização.
Em geral, planejamento muito detalhado e demorado é punido. Por outro lado, “mostrar trabalho”, isto é, partir para a execução rapidamente, é frequentemente recompensado. O esforço de recuperar projetos é mais valorizado do que o trabalho de prevenir que esses projetos entrem em crise. Isso nos remete ao segundo parágrafo deste artigo.

Toda a confusão e pressão, causadas pelo ambiente competitivo, globalizado e com mudanças cada vez mais rápidas, resultam numa falsa ideia de que a produtividade está relacionada apenas à velocidade. Na verdade, produtividade não é apenas fazer mais rápido. Produtividade é fazer certo a coisa certa.
Isso nos leva a outra área do conhecimento frequentemente mencionada como sendo a mais importante: qualidade. Afinal, se algo não precisa ser feito com qualidade, então não precisa ser feito. Outras áreas frequentemente mencionadas são riscos e comunicação. Isso porque comunicação, gerenciamento de stakeholders e soft skills são a última moda em gestão. Riscos, por sua vez, é hoje tido como um diferencial competitivo, embora a maioria das organizações os gerenciem muito mal.

O fato é que, se existe uma área mais importante, acredito que essa área seja Escopo. É o escopo do produto e do projeto que determina todas as demais áreas. As tarefas são feitas a partir da EAP, os custos são calculados a partir dos recursos estimados para as tarefas, a qualidade depende do escopo do produto e projeto, as comunicações são o suporte para o funcionamento do projeto, RH cuida do maior ativo do projeto – as pessoas, o gerenciamento dos riscos tem como objetivo manter o escopo nos trilhos e, por fim, as aquisições compram os materiais e insumos que precisamos para trabalhar. Temos ainda a Integração, que procura unir todas as demais áreas, além de coordenar, supervisionar e integrar a gestão do projeto.

Mas, ao final do projeto, o que desejamos? Bem, como gerente de projetos, muitas vezes, desejamos apenas nos livrar dele! Mas os principais stakeholders, em especial o patrocinador e o cliente, o que eles esperam? Eles esperam o produto, serviço ou resultado exclusivo que o seu projeto prometeu entregar. Para o cliente, relatórios, cronogramas, plano de comunicações, curvas do Valor Agregado não terão mais importância nenhuma. Ou seja, são documentos resultantes de projetos que dão suporte e auxiliam para que o escopo do projeto seja executado.

O grande problema é que os gerentes de projeto estão priorizando tempo e custo na tríplice restrição, enquanto na verdade deveriam se preocupar primordialmente com o escopo. O resultado disso é a grande taxa de fracasso mostrada nos CHAOS Report, por exemplo.

A conclusão é que, se ainda não dominamos o gerenciamento do escopo, investir nas outras áreas pode não trazer as melhorias desejadas. O gerenciamento do escopo se inicia com a demanda do projeto (problema ou oportunidade) e o estabelecimento dos objetivos do projeto em seu Termo de Abertura. Posteriormente, no grupo de processos de Planejamento, atenção especial deve ser dada à coleta de requisitos, o que irá permitir a definição da solução e determinação do escopo do produto e do projeto. Finalmente, durante a execução, o controle integrado de mudanças deve estar sempre alerta, utilizando um processo formal de mudanças.

PMI Awards 2012 – The Best of The Best

Está aberto até 01 de Abril o período de inscrições para o PMI Awards 2012, prêmio do PMI que surge para atestar a excelência, a inovação e o trabalho dos profissionais, pesquisadores, autores e educadores em gestão de projetos no mundo. A premiação é anual, e possui quatro categorias para inscrição, que são: Prêmios para Profissionais, Prêmios para Organização por projetos bem sucedidos e inovadores, Prêmios para Pesquisadores e Educadores e Prêmios para Autores de literatura sobre Gerenciamento de Projetos.

PMI Awards 2012

PMI Awards 2012

Entre os brasileiros que já foram premiados estão ,  Americo Pinto pelo PMSurvey em 2011, Margareth Carneiro por sua obra sobre Gestão Pública em 2007, Ricardo Vargas pelo PMDome em 2005. Veja abaixo os prêmio de cada categoria e o link de onde encontrar mais informações sobre cada prêmio:

Categoria Prêmios para Profissionais:

Categoria Prêmios para Organização por projetos bem sucedidos e inovadores:
Categoria Prêmios para Pesquisadores e Educadores:
Categoria Prêmios para Autores de literatura sobre Gerenciamento de Projetos:
Análise bem as categorias, veja qual a melhor delas para inscrever  sua contribuição e boa sorte.
* A tradução do nome dos prêmios não é oficial, e surge apenas com o intuito de deixar mais claro a que se refere cada categoria em português.

Técnico em Planejamento

Recebida da E-Plan:

Contratação imediata de Técnico para:

– levantamento de quantitativos do Projeto

– apoio na execução de orçamentos

– apoio nas medições topográficas de obra

– conhecimentos em Excel, MSproject, Autocad e Topograph são fundamentais.
Além de pro – atividade, dinamismo e trabalho em equipe

-disponibilidade para atuar em obras em todo território nacional

Local: BH

Salário: A Combinar

Favor enviarem currículos para este e-mail ( josefj@oi.com.br), informando
pretensão salarial.

Gerente de Projeto na Organizational Project Management Community of Practice

Recebido da: PMI-CE

Na Organizational Project Management Community of Practice estamos com uma abertura para voluntários como Gerente de Projeto de um projeto de mentoring para organizações não governamentais e projetos sem fins lucrativos. O primeiro cliente é um grupo de profissionais da Tanzânia, que querem melhorar o nível em Gestão organizacional de projetos (projetos, programas e portfolio) na sua região, planejando a criação de um chapter e buscando apoio e mentoring sobre Gerenciamen to de Projetos, PMI e Certificações.

Pré-Requisitos:

Inglês nível 4 (Fluente)

Experiência profissional pleno à sénior em Gestão de projetos

Certificação PMP

Facilidade em meios de comunicação virtual

Disponibilidade de 5-8hr/semana

Desejável:
Experiência anterior como voluntário do PMI
Conhecimento das estruturas organizacionais do PMI

A alocação será 100% virtual, não fazendo necessário disponibilidade para viagens. Eventualmente poderá haver no futuro oportunidades de apresentar o projeto como case em congressos do PMI.
O voluntário será responsável pela gestão do projetos, coordenando uma equipe de mentores nível Sénior e buscando novas oportunidades como liaison entre a OPMCOP e comunidades (PMI ou não) interessadas.

Ele relatará para me como patrocinador com relatórios semanais e encontros por meios virtuais quinzenais (em inglês) e executará trimestral surveys junto aos clientes e a equipe para levantar o nível de satisfação e oportunidades de melhoria. Além dos mentores pode se formar uma equipe de apoio administrativo.

Cada hora de voluntariado será reconhecido pelo PMI como PDUs da Catergoria “E”.

Coordenador de Suprimentos (Salvador/BA)

Recebido da Lista: PMI-BA

Coordenador de Suprimentos (Salvador/BA).

Requisitos necessários:
Engenheiro Civil com experiência em Suprimentos (principalmente contratação de serviços de engenharia).

RESUMO DE ATIVIDADES
– Coordenar equipe
– Monitorar e controlar a contratação dos serviços de engenharia para construção civil predial
– Negociar com fornecedores de serviço e clientes internos
– Elaborar relatórios gerenciais
– Desenvolver parcerias de fornecimento
– Desenvolver processos e rotinas de compras para o setor
– Elaborar e acompanhar controles de histórico de preços e evolução de mercado de Serviços e Materiais
– Analisar projetos, desenvolver mapas de cotação e equalizar propostas

QUALIFICAÇÕES/ REQUISITOS TÉCNICOS:
– Experiência em área de compras (materiais e serviços) para construção civil
– Conhecimento do mercado, principalmente fornecedores de serviços
Informática
– Habilidades em negociação

HABILIDADES COMPORTAMENTAIS/ COMPETÊNCIAS PARA O CARGO
– Ter boa fluência verbal e escrita
– Aptidão e interesse por trabalhar em escritório
– Boa relação interpessoal e facilidade para trabalhar em equipe
– Flexibilidade

Currículos para andre.paim@oasempreendimentos.com

Prêmio Projeto do Ano – um vídeo e um pouco mais sobre os vencedores

Neste post, trazemos mais alguns detalhes de como foi o Prêmio Projeto do Ano, realizado no dia 29 de Novembro de 2011 em São Paulo, no Hospital Albert Einstein. Já tinhamos feito um post sobre o prêmio anunciando os vencedores: blog.mundopm.com.br/2011/12/09/ganhadores-do-premio-projeto-do-ano, e neste post, trazemos logo abaixo uma  cobertura em vídeo do prêmio e alguns detalhes sobre os projetos vencedores. Lembrando que a cobertura completa do prêmio está na edição 42.

O Vídeo:

Um pouco mais sobre os vencedores:

Projeto do Ano

Rogério Rebello (Gerente Petrobras - AB-PGI/RNEST/PG), Barcaui (FGV), Wilson Guilherme (Gerente Geral -Petrobras) e Zózimo (MundoPM) - Projeto RNEST, vencedor do Projeto do Ano 2011.
Rogério Rebello (Gerente Petrobras – AB-PGI/RNEST/PG), Barcaui (FGV), Wilson Guilherme (Gerente Geral -Petrobras) e Zózimo (MundoPM)

O vencedor na categoria Melhor Projeto do Ano, foi o Projeto RNEST – Implantação da Refinaria Nordeste, projeto desenvolvido pela Petrobrás, com a intenção de implantar a Refinaria Nordeste e as suas facilidades de logistica no municipio de Ipojuca no Estado de Pernanbuco. Trata-se de um projeto com um plano de contratação de bens e serviços na ordem de 26 bilhões reais distribuidos em 243 contratos.

Quando recebemos o case, 92% dos contratos já haviam sido assinados, além disto, o projeto contava com um avanço físico de 42,6% e realização financeira de 36% do total. Em setembro de 2011, a obra atingiu o pico de 28.708 trabalhadores, com previsão de 30.000 em dezembro.

Iniciado em 2005 e conclusão prevista para 2016, a expectativa é que quando concluido, o projeto seja responsável por 11% de todo o refino de petróleo no Brasil, além de ser a refinaria com maior taxa de conversão de oléo cru em oléo diesel (70%), sendo a responsável pela produção de 18% de todo o diesel no Brasil, ou seja, a cada 10 caminhões, dois estarão sendo abastecidos pela RNEST.

O projeto esta sendo com metodologia própria para a Indústria do Petróleo , tendo como referência o IPA ( Independet Projects Analysis Inc.). Dentre os sites utilizados estão o Primavera e o SAP.

Projeto Inovador do Ano

IBM do Brasil, premiada pelo projeto COR. (Pedro Almeida e Artur Szabo ao centro).
IBM do Brasil, premiada pelo projeto COR. (Pedro Almeida e Artur Szabo ao centro).

O vencedor na categoria Projeto Inovador do Ano foi o Projeto COR – Centro de Operações Rio, cujo objetivo era instalar um centro de operações onde a prefeitura pudesse agregar as agências de serviços da cidade do Rio de Janeiro para o dia a dia e para a gestão de crises.

O projeto foi desenvolvido com uma sessão planejamento para inovação, junto com o Prefeito, Secretários e 400 contribuintes via chat. Após esta fase foi definido o escopo que consistiu na construção de um prêdio, customização de hardware  e software, além da definição de processos e treinamento para os operadores.

O projeto foi realizado em 12 meses, e fez uso da metodologia IBM WWPMM ( Word Project Managemente Meodology), que está alinhada com a metodologia no PMI.

No projeto foram envolvidos mais de 20 fornecedores, 50 secretárias e 400 funcionários, o centro é inédito no Mundo por que integra mais de 30 serviços em um só centro de operações, o que contribui com a integração e sinergia dos serviços, sendo capaz por exemplo de prever temporais e possíveis alagamentos com 48 horas de antecedência e fazer uma ação preventiva por parte da defesa civil. Veja neste link vídeo com escopo de lançamento do projeto: blog.mundopm.com.br/2011/11/30/centro-de-operacoes-da-prefeitura-do-rio-de-janeiro/.

Projeto Acadêmico do Ano

Helio Costa (premiado), Prof. Carlos Magno Xavier (Diretor da Beware Consultoria) e Heitor Coutinho (FDC).
Helio Costa (premiado), Prof. Carlos Magno Xavier (Diretor da Beware Consultoria) e Heitor Coutinho (FDC).

O vencedor na categoria Projeto Acadêmico da Ano, foi feito pelo Hélio Rodrigues da Costa, seu trabalho foi realizado para obtenção do título de doutor na COPPE-UFRJ, o título do trabalho foi: Apoio a Seleção de Portfólio de Projetos de Software baseado na Moderna Teoria de Portfólios, teve como objeto de estudo a moderna teoria do potfólio, desenvolvida por Harry Markovitz em 1952, usada amplamente no contexto econômico para a seleção de portfólios de ativos financeiros.

O estudo foi criar uma adaptação da teoria para a seleção de projetos de software, consistiu em desenvolver uma ferramenta usada em estudos experimentais. Mais tarde quando comparada com outras técnicas usadas da indútria, a técnica testada se saiu melhor.

Veja as fotos em: flickr.com/photos/mundopm/sets/72157628253243783/show

Para comprar a revista com a cobertura completa, acesse: www.mundopm.com.br/edicoesanteriores.shtml.

Ricardo Vargas volta a assumir posição no PMI Board of Directors e recebe Prêmio da maior comunidade de prática do PMI

Ontem tivemos a noticia de que o amigo Ricardo Vargas recebeu premiação da maior comunidade de prática do PMI, prêmio que surge após o mesmo ter sido convidado para integrar o Board do PMI, o que certamente é uma grande honra e sinal de que o gerenciamento de projetos no Brasil tem ganhado cada vez mais reconhecimento por parte da comunidade internacional.

Ricardo Vargas, conhecido nacionalmente pelo famoso 5″ PM Podcast: www.ricardo-vargas.com/pt/podcasts/, e não apenas, mas também por seu portfólio de projetos em sua carreira, onde acumula mais de 80 projetos nos últimos 15 anos, que quando somados totalizam investimentos superiores a 18 bilhões de dólares e seu trabalho voluntário, tendo  sido Chair da atual tradução do PMBOK. Foi também o primeiro voluntário latino-americano a ser eleito para exercer a função de presidente do conselho diretor (Chairman) do Project Management Institute (PMI). Entre outras realizações, que podem ser conferidas no link: www.ricardo-vargas.com/pt/biography/. Sua premiação neste momento, com toda certeza é merecida, e digna do nosso Parabéns.

Veja abaixo o anúncio da premição:

Carreira em Gerenciamento de Projetos – Parte 3

Nos posts anteriores, traçamos a carreira de um GP desde o seu início até a certificação PMP. Como dissemos, o primeiro passo é reforçar seus conhecimentos, habilidades e competência técnica em sua área de conhecimento (engenharia, TI, marketing, finanças, administração). Fazendo um bom trabalho, você será naturalmente convidado a trabalhar em projetos desafiadores e assumirá maiores responsabilidades.
Chega o momento que, caso você deseje, deverá buscar conhecimentos em GP. O conselho do Prof. Marcos Alberto de Oliveira, coordenador da FAAP, é iniciar por cursos básicos e depois avançados de curta duração. Sugiro buscar conhecimentos sobre a utilização de softwares de gerenciamento de projetos. Neste início, vale a pena estudar e buscar certificações como CAPM e MCTS 70-178.
A próxima etapa é buscar uma pós-graduação em gerenciamento de projetos (leia esta reportagem do Valor Econômico sobre o assunto). Nesta fase, o profissional já tem bons conhecimentos sobre GP, irá aprofundá-los durante o curso e os aplicar no seu dia-a-dia. Conforme ganha experiência, o profissional pode buscar outras certificações como PMP, a mais reconhecida pelo mercado de trabalho.
Conforme você se tornar mais experiente como gerente de projetos, seus projetos serão maiores e mais complexos, criando a necessidade cada vez maior de se preocupar com a comunicação e com os stakeholders. Portanto, você terá que amadurecer suas softskills ao longo da caminhada como GP, essa é a opinião do Prof. Marcão, coordenador da FAAP.
Neste ponto da carreira, como um gerente sênior de projetos, gerente de programas ou de portfólio, serão necessárias outras habilidades. As empresas esperam que os profissionais sejam competentes e que compreendam o ambiente de negócios da empresa, aliando o planejamento estratégico e a execução do projetos. Portanto, conhecimentos sobre gerenciamento de portfólio e de programas será um diferencial.
Finalmente, chamo a atenção para a importância de os gerentes de projetos compreenderem (e dominarem) administração financeira. As empresas não fazem projetos por diversão, elas os fazem para ter lucro, retorno financeiro. Mesmo as organizações sem fins lucrativos, inclusive Governo, esperam que seus recursos sejam utilizados com eficiência, o que envolve boas estimativas e comparações entre projetos. Outra área de conhecimento que o gerente de projetos deve conhecer é a área de aquisições, pois cada vez mais ele terá responsabilidade de negociar com  partes interessadas e fiscalizar contratos.
Para terminar nossa série de conversas sobre carreira, gostaria de dizer que nem todos os profissionais precisam se tornar GPs. Deve ser uma escolha bem pensada. As carreiras técnicas podem trazer retornos financeiro e pessoal tão bons quanto as carreiras gerenciais, desde que você seja um profissional competente e busque sempre se atualizar.

Algumas recomendações finais:

1)    Além do PMI, existem outras organizações voltadas para a padronização e divulgação de conhecimentos em gerenciamento de projetos, Dentre elas, destaco a IPMA (International Project Management Association) e certificações baseadas em competências.
2)    Temos ainda as metodologias ágeis, dentre as quais se destaca o Scrum, bem como as certificações CSM e CSPO da Scrum Alliance. Como novidade, temos a certificação PMI-ACP.
3)    O repertório do GP deve ser o mais amplo possível de modo que ele seja capaz de usar suas diferentes habilidades e técnicas conforme as necessidades de cada projeto. Neste sentido, vale a pena conhecer PRINCE2.
4)    Saliento que a busca das certificações deve ser aliada à busca de conhecimento e experiência prática. As certificações abrem portas, são um diferencial competitivo. Porém, uma vez contratado ou promovido a gerente de projetos, você precisará mostrar serviço. Competência e resultados são os pilares que vão te sustentar no cargo.
5)    Dica importante: procure se envolver com outros profissionais de GP, Chapters do PMI e outros grupos de seu interesse. Veja esse podcast do Ricardo Vargas sobre voluntariado.

Técnico em Planejamento

A Bethonico Planejamento e Consultoria está contratando 1 téc. de planejamento de experiência mediana em obras civis.

Requisitos obrigatórios:
– Residir em São Paulo, preferencialmente no Centro ou próximo a uma estação de metrô.
– Ter conhecimentos intermediários de MS-Project, alimentação de recursos, obtenção de histogramas de mão-de-obra e materiais, etc;
– Possuir experiência em obras civis.

Forma de envio de curriculuns:
– enviar curriculuns unicamente para o email rh@bethonico.com.br;
– o curriculuns deve possuir, ao menos, 2 referências profissionais com telefones.